O que fazer?

De todos os assuntos que falava com Ripse, “o que fazer” era sempre um discriminado. Eu não o conseguia ouvir bem sobre o que fazer embora soubesse que ele queria falar comigo sobre isso também. Sobre tudo o resto ou via ou ouvia algo, mas sobre isto era branco…

Descobri que isso acontecia por causa de medo. Eu tinha medo de ouvir Deus errado e de agir errado. Ouvir algo que não era bem verdade e fazê-lo pensando que era Deus e depois não era… Mas Ele mostrou-me que tudo isso era porque eu levava o que Ele me dizia como se fosse uma lei e não uma ideia, uma partilha.

Ele disse-me: “Eu quero muito dizer-te o que eu penso, mas tu irias recebê-lo como uma lei, como algo que tens obrigatoriamente de fazer, porque sabes a minha vontade, então tens de o fazer. Mas não é esse o objetivo. Eu quero dizer-te o que eu acho, mas eu quero que sejas livre para fazer o que quiseres. Somos amigos certo? Eu não sou o teu comandante.. Não me trates como tal, por favor ? Eu quero que aproveites a vida. Eu quero aproveitar a vida contigo. Eu dei-te livre arbítrio por alguma razão. Não o limites. Não me ponhas numa posição em que decido por ti. Eu quero ser amigo, não mestre. Quero partilhar contigo o que acho sobre o que deves fazer como se fosse uma opinião. Talvez uma boa opinião ?mas ainda assim uma opinião ?❤”

Assim que Ele me disse isso, eu continuei a ler o livro que estava a ler, e o capítulo seguinte chamava-se “Lei ou convite” e confirmava precisamente do que Ele me tinha dito!! Dizia que na Velha Aliança havia leis e na Nova Aliança há convites. Antes de Jesus vir tínhamos de nos esforçar para sermos justos (ou “bons” em linguagem comum) e agora Ele convida-nos a sermos santos, convida-nos a amar incondicionalmente, a andar no sobrenatural e a ceder direitos. São tudo convites para vivermos algo que se tornou possível por causa do que Jesus fez e não leis e coisas que temos de tentar fazer. Já não temos de tentar, agora podemos se quisermos, andar naquilo que já foi feito ??

Aplicando à minha situação… Ele dizia que não devia ser uma obrigação se partilhasse comigo o que pensa sobre o assunto, que queria ser meu amigo, normal ??

Deixe uma resposta